Peixes em perigo 2012

07/02/2012 11:18

 

Peixes em perigo

Depois de catalogarem mais de 819 espécies de peixes raros de água doce no país, pesquisadores brasileiros mostram que mais de 70% das áreas identificadas como prioritárias não estão devidamente protegidas.

Por: Larissa Rangel

Publicado em 12/07/2010 | Atualizado em 12/07/2010

Peixes em perigo

A espécie ‘Simpsonichthys santanae’ só ocorre no Brasil e, por isso, deve ser monitorada frequentemente (foto: Pedro De Podestá).

Em 2007, após décadas de pesquisa, 39 cientistas, liderados por pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP) e do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), produziram um catálogo com todas as espécies conhecidas de peixes de água doce do Brasil. O resultado foi o maior inventário deste tipo já feito no país, com 2.587 espécies listadas.

A partir do trabalho inicial, pesquisadores da USP e da UFRJ mapearam agora mais de 800 espécies com distribuição geográfica restrita e grande vulnerabilidade no país.

Mapa de bacias vulneráveis
O mapa mostra, em vermelho, as áreas mais vulneráveis do Brasil, onde vivem espécies desconhecidas em outros lugares do mundo (imagem: Nogueira C., Buckup P.A., et al., 2010).

O novo estudo, feito em parceria com aONG Conservação Internacional (CI-Brasil), foi publicado n

One. Ele consolida os dados mais relevantes do inventário e chega a um resultado alarmante: das 540 bacias hidrográficas identificadas como áreas prioritárias, apenas 26% podem ser consideradas como protegidas.

A análise da distribuição das espécies depeixes raros permitiu identificar as 540 bacias hidrográficas consideradas Áreas-Chave para a Conservação (ACB) dos ecossistemas aquáticos brasileiros.

Essas bacias são áreas essenciais para a manutenção da biodiversidade, pois abrigam espécies de peixes que não ocorrem em nenhuma outra parte do mundo.

“O resultado mais importante foi a identificação dessa quantidade de áreas que precisam de atenção imediata”, conta Paulo Buckup, ictiólogo do Museu Nacional da UFRJ e um dos autores do artigo. Segundo ele, essas áreas precisam de atenção porque abrigam um conjunto de espécies particularmente vulneráveis à extinção.

‘Hasemania crenuchoides’
O ‘Hasemania crenuchoides’ é uma das espécies raras identificadas pelo catálogo (foto: Pedro De Podestá).

Um peixe por semana

“Há muitos peixesque já foram extintos e que sequer foram descritos"

O novo banco de dados já está disponível na internet. O ictiólogo afirma que  sua atualização precisa ser frequente, já que o Brasil possui a maior diversidade de peixesdo mundo. “Há muitos peixes que já foram extintos e que sequer foram descritos. Por isso, é muito importante catalogar o maior número possível”, diz Buckup. 

Os cientistas brasileiros descrevem mais de uma espécie por semana, o que demonstra a importância do trabalho de taxonomia de peixes em nível internacional.

O pirá-brasília, ou ‘Simpsonichthys boitonei’
O pirá-brasília (‘Simpsonichthys boitonei’) ocorre em áreas que figuram entre as mais vulneráveis (foto: Pedro De Podestá).

“Esses dados podem ser usados para ajudar na conservação ambiental. Órgãos públicos devem acessar o banco on-line para se atualizarem sobre que espécies precisam de mais atenção”, afirma o ictiólogo.

Os maiores vilões são a poluição e construção de barragens nos rios. Por isso, a equipe de pesquisadores defende a criação de novas medidas de conservação, capazes de conter os danos causados, principalmente, pelo esgoto e pela mineração.

Larissa Rangel
Ciência Hoje On-line

Responda no livro de visitas


1. Quantas espécies foram catalogadas no inventário?

2. De que universidade eram os pesquisadores?

3. Das bacias hidrograficas pesquisadas, quantas são consideradas protegidas?

4. Quais são os principais vilões para a extinção dos peixes?

5. O texto fala do termo biodiversidade, pesquise na internet seu significado.



Leia mais: http://thebeciencias.webnode.com.br/news/peixes-em-perigo/
Crie seu site grátis: http://www.webnode.com.br